quarta-feira, 20 de julho de 2011

Flatus Foetore

Adicionar legenda


Sem preconceitos, sem preferência por credo, cor, religião ou condição financeira, o Pum, é considerado um problema que atinge toda a humanidade e, os meus, me serviram de inspiração para discutir o tema. Por mais que vocês descordem, acho que falar sobre a nossa saúde nunca é besteira, independente de que angulo seja.
Ela nunca soltou um pum quente e
está tentando saber a sensação
O Flato (também conhecido com Peido, Pum, Bufa, Traque, Bomba, etc.) vem do latim "Flatus", que significa sopro. Na verdade, ele é uma mistura de gases formado por parte do ar que engolimos (que é, praticamente, nitrogênio e dióxido de carbono, já que o oxigênio é absorvido pelo corpo) e gases resultantes das reações químicas entre o ácido estomacal (suco gástrico), fluídos intestinais e flora bacteriana. Resumindo: Dióxido de carbono, Hidrogênio e Metano.
Você já soltou um peido quente? Esses estão carregados de enxofre. Quanto mais rica em enxofre for sua alimentação, mas os seus puns vão feder. Para você que gosta muito de cebola, ovo e feijão, por exemplo, é essa sua maldita preferência que vai causar uma digestão bastante constrangedora. Tem feijoadas que são verdadeiras armas químicas, mais eficazes do que o Anthrax.
Além de evitar o fedor, é muito educado também evitar o barulho. Tem gente que faz questão de chamar a atenção. Esses sons são produzidos pela vibração causada nos esfíncteres, que são duas válvulas que controlam o abrir e fechar do seu buraco-negro. A interna abre involuntariamente e, a externa, é aquela que você controla e abre aos poucos. 



Katrina
A depender da velocidade da expulsão da ventania e do volume do gás, a pressão pode ser grande para sair. Se, nesse momento, você manter o esfíncter externo contraído, vai ser como escutar uma descarga de moto. Vai parecer até que o Katrina está por perto. O segredo é abrir e deixar relaxado na hora do crime. Ajudar ou forçar a saída do pum, é como soltar um bandido perigoso antes dele cumprir a pena: Você vai acabar desagradando a sociedade. Não force! Deixe o pum sair com naturalidade para que ele possa ser silencioso.

Existe muita gente que prende com freqüência o pum que já está na beirada, querendo soltar seu grito de liberdade. Não faça isso! Não queria manter o pum em cativeiro. Ele foi feito para ser livre. Ao prendê-lo muitas vezes, ele volta para o estomago, acumulando, causando mal estar e aquela conhecida dor no pé da barriga.
No São João, não devemos soltar bombas muito perto das pessoas pois podem lhe fazer mal. O mesmo serve para suas bombas anais. O Pum sai com muita velocidade, indo como um jato direto nos narizes alheios já que, por ele ser mais leve que o ar, a tendência dele é subir. Por isso, pense nos outros. Não dê uma de esperto só porque o seu nariz fica de costas para sua bunda. Solte-se num local adequando ou longe dos outros.
O pum, como todo gás, se dilui quando é liberado num espaço aberto, onde tem muito ar. Caso contrário, ele demorará muito para se diluir ou condensar nas paredes. Mas sempre tem um escroto que, por exemplo, dentro de um ônibus lotado, onde todas as janelas estão fechadas por causa da chuva a muito tempo, num calor desgraçado ali dentro, larga aquela bufa pelando, sem dó nem piedade. É tanta gente dentro do ônibus que nem dá pra saber quem foi.
Produzimos por volta de 1 a 1,5 litros de pum por dia (Gás mede-se em litros mesmo), distribuídos em uns 15 a 20 torpedos, liberados a qualquer hora do dia ou da noite, até quando estamos dormindo. 10 % dessas bufas são feitas de metano, que é inflamável. Por isso não tente peidar na direção de um isqueiro aceso, como você já deve ter visto na TV. Você pode tostar a bunda e queimar os cabelinhos. Com o flato também pode-se gerar energia. Mas precisamos inventar um dispositivo que coletasse os gases diretamente da fonte. Quem quer ser a cobaia?
Esqueçam aquela história de que o arroto é um pum que subiu na vida. A verdade é a seguinte: Depois que o ar é engolido, ele atravessa a faringe e o esôfago antes de chegar ao estômago. Uma parte desse ar segue para o intestino, onde vai virar pum. A outra, impulsionada por contrações estomacais, toma o caminho de volta e sai pela boca como um arroto.
E agora? Ainda vai desejar "Saúde"?
Parem de descriminar o Pum. Ele não é fedorento porque quer. Não sejam injustos. Sabem o que eu acho mais incoerente? É que as pessoas se irritam com os peidões só de ouvir o barulho de uma bufa que não fará mal a saúde de ninguém. Mas quando é um espirro, que traz consigo uma infinidade de vírus que são transmitidos muito facilmente pelo ar, causando doenças que não tem cura, como a gripe, que pode até matar, ninguém reclama. Muito pelo contrário, tem gente que toma uma rebombada de vírus influenza e ainda tenta ser agradável dizendo "Saúde!".
Não estamos mais na ditadura. Seja contra a repreensão e a censura. Não censure o seu pum, pois isso é apenas o seu corpo lutando pela sua liberdade de expressão.






GOSTOU DA POSTAGEM? ENTÃO TORNE-SE UM SEGUIDOR!
Em "Seguidores", embaixo de "Total de Visualizações de Página", clique em Seguir. 


2 comentários:

  1. Eu ri muito com esse post tb... kkkkkkkkkkkkkkk

    Não sabia como se dava todo o processo, que você explicou ai... de certa forma é até interessante conhecer mais sobre o funcionamento do corpo...

    Mas que é inusitado, isso é... e mudou totalmente o foco dos seus assuntos...

    Boa sacada de comparar o flato com o espirro no final... as pessoas não costumam pensar dessa forma...

    ResponderExcluir

Google+ Followers

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...